terça-feira, 25 de novembro de 2008

O Trono. (Ricardo Lopes)

Por mais que passem alguns
Por mais que passem muitos
Por mais que passe uma multidão
Estarei aqui saboreando solidão

Se do banco faço trono
Quem poderá julgar?
Se a maioria que vem e vai
Em meu trono nada me atrai

Os ponteiros andam lentos
Sei que a chuva me espera
No momento nada preocupa
Estou indiferente, nada se inverte
Que imenso prazer é ficar inerte


Ricardo Lopes 24/11/2008.
Obs: Escrevi isto sentado num banco do CEFET onde estudo, vivia mesmo isso.

2 comentários:

rbarreto_241 disse...

Bonito, more!
te amo!
:)

http://www.orkut.com.br/Main#Home disse...

POXA RICARDO VC TAMBEM FAZ POESIAS A QUAL EU AMO.
AMO POESIAS E MUSICAS...
BJS